Translate

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Apostasia segue sem freios na Europa: Padre de Dublin confessa ser gay e é ovacionado durante a Missa

Por Gary Meneely (Irish Sun)
Reproduzido por: Belfast Telegraph
9 de janeiro de 2015


Tradução: Traditio Catholicae

Na foto em publicação do Twitter do jornal 'Irish Sun', o Padre Martin Dolan

Um padre em Dublin (Irlanda) foi ovacionado de pé por sua congregação por ter “saído do armário” após seu sermão, onde clamou por igualdade no casamento de pessoas do mesmo sexo na Irlanda.

O Padre Martin Dolan tem sido sacerdote na igreja de São Nicolau de Mira, na Rua Francis ,na cidade de Dublin por 15 anos.

No sábado passado, o Pe. Dolan confidenciou aos seus paroquianos durante a Missa e também na manhã de domingo. Ele pediu que sua congregação apoie o "casamento" homossexual no próximo referendo irlandês, no final de maio.
Ele disse: "Eu mesmo sou gay."
A declaração foi recebida por aplausos e uma ovação de pé dos seus “orgulhosos” paroquianos.

Falando ao (jornal) 'Irish Sun' a jovem trabalhadora Liz O’Connor disse: “Nós estamos muito orgulhosos do Pe. Matin. Por ele admitir ser gay, ele não muda a pessoa que ele era antes disso.”

O padre está atualmente em um feriado pré-planejado e retornará à sua paróquia em breve.
Uma fonte de dentro da Igreja Católica disse ao ‘Irish Sun’: "Ele já tinha sua folga planejada antes de tudo isso vir à tona em caso das pessoas acharem que ele está correndo para as colinas (fugindo)".

"Ele estava apenas fazendo seu serviço, isso era parte da sua homilia, e é isso."
A senhora O'Connor disse que a congregação não gostaria de ver Dolan deixar sua paróquia.

A Arquidiocese de Dublin não quis comentar até falarem diretamente com o padre Dolan.

Um referendo sobre o "casamento" homossexual será realizado no final de maio 2015.

__________________________________________________________________________________

Comentário do blog:

Não é algo novo um padre vir à publico confessar sua homossexualidade. Geralmente nesses casos, os paroquianos ficam divididos entre aqueles que, imersos no relativismo vêm isso como algo "positivo"ou um gesto de "humanidade" e "caridade" para com aos homossexuais, uma "abertura" etc e aqueles que se escandalizam.

No caso dos irlandeses o caso é ainda mais chocante. Além do fato do padre ter sido aplaudido por tal declaração em plena homilia, em plena realização da Missa; segundo jornais irlandeses, mesmo a hierarquia da Igreja na Irlanda se posicionando contrária à união de pessoas do mesmo sexo, cerca de mais de 70 por cento da população irlandesa é a favor do união homossexual. O mesmo povo irlandês conhecido justamente por sua História e identidade estarem ligadas intrinsecamente ao Catolicismo e que por isso sofreu duras penas e perseguições durante a ocupação protestante britânica em seu solo, e que piorou em meados do século XIX durante a Grande Fome causada pela doença que atacou a base da alimentação irlandesa, as batatas, agravado ainda mais pelas sanções do governo britânico à Irlanda provocando a morte de mais de 20% da população e uma grande emigração em massa, principalmente em direção aos Estados Unidos, onde muitos morreram devido à fome e doenças na viagem de navio.
Isso é mais uma prova do quanto o povo europeu em especial se afasta a cada dia mais da Doutrina católica, do quanto este povo de uma maneira geral, apesar da minoria resistente, está perdendo a Fé.

Nessa mesma semana na França, após o atentado terrorista à revista blasfema 'Charlie Hebdo', grande parte dos franceses foi às ruas em solidariedade à revista mesmo esta sendo conhecida por fazer charges atacando não apenas o islamismo, mas com maior ferocidade o catolicismo, com blasfêmias dirigidas normalmente à Nossa Senhora, Nosso Senhor Jesus Cristo e ao Papa.
Vale salientar que não se deseja, nem há de se felicitar com o destino daqueles que perderam a vida no atentado, mas um católico, ou alguém que se diga católico, como imagina-se ser a maior parte da população francesa não pode dizer algo como "eu sou Charlie". É importante que se repudie todos estes atos de violência gerados pelo terrorismo islâmico, mas não se pode de maneira alguma de uma hora para outra transformar um vilão anti-católico como essa revista, em herói ou pior ainda, um mártir.

Isso só nos mostra o quanto uma nação defensora da Igreja Católica como outrora foi a França, donde a própria Virgem Mãe de Deus se fez presente varias vezes, também já entrou em acelerado processo de apostasia e não é apenas lá e nem de hoje.

É importante também lembrar que a Igreja não poderia de forma alguma ser a favor da união homossexual pois estaria indo contra o Evangelho. O que esses sacerdotes que não obstante terem tendências homossexuais ainda se posicionam a favor disso, é uma traição à Igreja, à Cristo.

O pecado grave da prática homossexual conhecido também como "sodomia" em alusão ao castigo a Sodoma, é mencionado nas Sagradas Escrituras e também por santos e doutores da Igreja.

Em Levítico se lê: “aquele que pecar com um homem, como se ele fosse uma mulher, ambos cometeram uma coisa execranda, sejam punidos de morte, o seu sangue caia sobre eles.” ( Lev. XX,13 ).

São Paulo também exclama: “Porque as suas próprias mulheres mudaram o uso natural, em outro uso, que é contra a natureza. E do mesmo modo, também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam nos desejos mutuamente, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em si mesmos a paga que era devida ao seu desregramento. E, como não procuram conhecer a Deus, Deus abandonou-os a um sentimento depravado, para que fizessem o que não convém, cheios de toda iniqüidade, malícia e fornicação.” (Rom, I, 26).

O Papa São Pio V, promulgador da Missa de sempre no século XVI sobre o homossexualismo entre sacerdotes:
"Aquele horrendo crime, pelo qual as cidades corruptas e obscenas (Sodoma e Gomorra) foram queimadas por condenação divina, nos enche de amarga dor e nos estimula veementemente a reprimi-lo com o maior zelo possível. Com toda razão o 5o. Concílio de Latrão (1512-1517) estabelece que todo membro do clero apanhado na prática do vício contra a natureza, pelo qual a cólera divina caiu sobre os filhos da iniquidade, seja despojado das ordens clericais ou obrigado a fazer penitência em um mosteiro." (c.4, X, V, 31)

De tão grave, Santo Tomás de Aquino coloca o homossexualismo no mesmo patamar do canibalismo por ser algo contra a natureza.

São Pio X em seu Catecismo promulgado no início do Século XX,  no item 963, dentre os pecados que clamam a Deus por vingança, coloca os pecados contra a natureza, no qual faz parte a prática homossexual, em segundo lugar, após o homicídio voluntário, seguido da opressão aos pobres e por último o não pagamento do salário de quem trabalha.
Diz São Pio X acerca destes pecados:
"Desses pecados se diz que clama a Deus por vingança, porque o Espírito Santo assim o diz, e porque a sua iniquidade é tão grave e evidente, que provoca a punição de Deus com os castigos mais severos."

Posto isso, fica evidente e claro o porquê de um sacerdote jamais poder se pôr favorável ao homossexualismo e mais ainda, incitar seus fiéis a isso, pois terá parte no grave e eminente risco de condenação das almas destes.
Diante do que está escrito no Evangelho, do que foi ensinado pelos santos e doutores da Igreja, fica a dúvida do porquê ainda assim tantos sacerdotes se viram contra a Doutrina da Igreja. Será que já não se ensinam mais a verdadeira doutrina na maior parte dos seminários ou os sacerdotes já não creem mais inteiramente naquilo que aprendem? Estando nesse estado, mesmo que não admitam, a verdade é que estes já não têm mais a fé católica.

De forma alguma deve-se deixar de acolher a pessoa homossexual; é forma de caridade acolhê-los, mas desde que seja baseado na verdade.

É o cumprimento do que foi dito nas aparições da Virgem  Maria em La Salette (França), em Akita (Japão) e provavelmente do que ainda pode estar oculto na terceira parte dos Segredos de Fátima.

Oremus!

In Christo et Maria


Interior da igreja de São Nicolau de Mira, em Dublin, Irlanda - Foto: Le Monde1

Nenhum comentário:

Postar um comentário